segunda-feira, 22 de junho de 2020

Serra Catarinense: 10 Videoclipes Que Marcaram a Cena (Parte I)

Qual música vêm a sua cabeça quando você pensa na Serra Catarinense? Não só de Música Regionalista, vive a Amures!!!


Seja do rock rural incandescente do Expresso Rural, nos palcos alternativos da Festa do Pinhão ou nas noites do Fatboo Studios, a região serrana emana música com qualidade, desde Blues, Reggae, Rap, HC, Metal ou MPB, a versatilidade, criatividade e talento são explícitos nos seus respectivos trabalhos.

Por isso, a Urussanga Rock Music decidiu relembrar videoclipes que marcaram Lages e região. O quadro terá duas partes de dez materiais audiovisuais, de bandas distintas que tiveram/têm a sua importância no cenário musical catarinense. A ordem, foi feita de acordo com a data de lançamento dos clipes.

01. Expresso Rural - Nas Manhãs do Sul do Mundo (1983)


A banda Expresso Rural encantou o estado de SC nos anos 80, com clássicos como “Certos Amigos”, “Sol de Sonrisal” e “Tom Natural”, o grupo descentralizou a música, trazendo o interior para ser tocado na capital. “Nas Manhãs do Sul do Mundo” é sua obra mais conhecida e angaria um clipe nostálgico, divulgado no ano de 1983.

02. Orquídea Negra - The Darkness (1991)


Os amantes do Metal devem estar se perguntando, se o ícone do Heavy Metal catarinense também estaria, na referida matéria. É claro, que o Orquídea Negra não poderia faltar, já que sustenta e leva o nome da cidade para os quatro cantos do país. Ainda na ativa, os músicos possuem 34 anos de história e três discos lançados. Em 1991, a extinta TV Manchete de Joaçaba- SC, divulgou o vídeo de “The Darkness”.

03. Lenzi Brothers - Allana (2008)


“Atrás de uma viagem nova, que lhe faça compreender, sem rotas e marcar a volta, é nessa que Allana vai levar você...” Essa música com certeza marcou a consolidação de três irmãos que saíram da Serra rumo ao litoral. Há 12 anos, a banda Lenzi Brothers divulgou o videoclipe de “Allana” contendo uma estética divertida, com elementos visuais que remetem aos quadrinhos e uma sonoridade baseada no rock londrino. Ao todo, em sua discografia, o grupo dispõe de nove discos, participações na MTV e ShowLivre.com, além de uma vasta bagagem.

04. Genirê Z - O Vento (2014)


Com 3.500 visualizações, “O Vento” é a principal faixa da banda de Reggae, Genirê Z. A melodia calma, gostosa e simples se complementa ao visual de um clipe caseiro, com takes de apresentações dos integrantes, produção de músicas e um clima sinérgico. O grupo foi formado em 2011 e já esteve em grandes eventos da região, como a Festa do Pinhão.

05. John Liar - Hard Work (2015)


Ahh o HC... O Hardcore também está presente. E a John Liar, um dos maiores nomes do estilo na cidade, mostra que experiência, sincronia e técnica são fatores totalmente conectivos. “Hard Work” é a personificação disso, uma vez que através de uma GoPro, conseguiram capturar a energia dos músicos e a rapidez dos riffs. A banda obtém dois trabalhos, o Ep homônimo “John Liar” e o recente “Changeover”.

06. Megaluce - Lampião (2015)


Uma levada experimental, com resquícios de Shoegaze, MPB e Indie, a Megaluce expõe um som limpo e ímpar. Há cinco anos, os músicos difundiram “Lampião”, como o próprio nome já diz, ela traz referências ao casal Lampião e Maria Bonita. Recentemente, a banda lançou seu álbum “Cotidiano Abstrato”, último trabalho até então.

07. Nona Avenida - Meras Indagações (2018)


 “Você já se escondeu quando esteve frio? Já tomou mágoas num copo vazio? ” Esses versos conseguiram me prender, tanto pela simplicidade quanto pela intensidade. E “Meras Indagações”, considero uma das principais músicas feitas nessa segunda década, na cidade. O vídeo mescla cenas cotidianas com imagens de cunho nostálgico e de extremo valor sentimental (sendo dedicado a memória de Edson Euclides Rosa). A letra enfatiza a melancolia caracterizada pela fotografia em preto e branco, a qual se molda à sonoridade lenta, técnica e cadenciada indo de encontro à sensibilidade casual presente nas letras da Nona Avenida.

08. Raccoon Club - Flicker (2018)


A banda Raccoon Club de Lages- SC traz a irreverência e o experimentalismo através de releituras de clássicos e covers. Em novembro de 2018, o grupo divulgou seu primeiro trabalho, denominado “Flicker” e contou com a participação de muitos amigos e colegas dos músicos. Com uma intro melancólica de um diálogo, exprimiram os primeiros acordes, de maneira lenta e cadenciada mas permanecendo numa linearidade síncrona. No vídeo, a sinestesia galgava por caminhos díspares até se unir a atmosfera íntima com traços de epifania.

09. AbomiNação - Sermo Serpentum (2019)




A AbomiNação é um dos principais nomes do Grindcore/Crossover catarinense. “Sermo Serpentum” foi o último material a ser lançado. O trabalho exibe a qualidade e principalmente o crescimento do grupo. No videoclipe, Mateus Biazotto (Vocalista e Baixista) é tido como padre, enquanto Miro Wagner (Guitarrista) e Ruan Rudieri (Baterista) são seus súditos. Com um altar remetendo a templos cristãos, o grupo ingressa críticas à misoginia, a intolerância e ao preconceito expresso através de discursos morais religiosos.

10. Arit - Lobo do Mar (2019)


O rapper Thiago Arit já entrou para a história da música lageana. Há quase um ano, o músico divulgou o primeiro audiovisual de Rap do município, através da canção “Lobo do Mar”. Nela, Arit expõe suas visões sobre a sociedade, referências atuais e versos distópicos e futuristas.

segunda-feira, 4 de maio de 2020

União dos Músicos de Lages: “Unidos venceremos. divididos, cairemos”

A pandemia do Covid-19 ficará para a história, devido a seu potencial destrutivo, porém, também pela empatia no meio de uma crise.  Com mais de 30 anos de meio musical, o produtor, compositor, multi-instrumentista e engenheiro de som, Dante “Banha” Finardi resolveu montar um projeto que tivesse o viés de contribuir com os artistas e a cena musical lageana.

União dos Músicos de Lages (U.M.L)
Atualmente, há mais de duzentos músicos em atividade na cidade de Lages - SC. E muitos deles assolados pelo momento atual, carecem de recursos financeiros, uma vez que utilizam como “ganha pão”, a música.


“Primeiro, eu armei uma isca para os músicos. Juntei uns cinquenta conhecidos que estavam no meu celular, e rearranjei a música “Certos Amigos” do Daniel Lucena (Expresso Rural) e então propus para que cada música gravasse sua versão. A partir disso, eu fui picotando e passei a aprender a mexer em softwares de vídeo”, cita Banha, sobre a ideia do projeto.



O estúdio Olho da Lua foi criado há 20 anos pelo produtor lageano e possibilitou a inserção de vários artistas e bandas no cenário regional, como é o caso do Orquídea Negra.  Com uma vasta bagagem, experiência e também pela repercussão do vídeo lançado, Dante juntou os músicos que já conhecia e propôs a “União dos Músicos de Lages”. Inicialmente, foi criado um grupo no WhatsApp que proporcionou a ingressão de vários instrumentistas.

A proposta é de fazer lives todos os dias, em uma estrutura criada no próprio estúdio, na qual, tem pessoas que cuidam da arte, dos patrocinadores e da filmagem. Logo no começo, a Prefeitura Municipal de Lages, representada pela Fundação Cultural contribuiu com um painel de LED e também com a empresa de som.

Objetivo

O financiamento coletivo foi o método utilizado para as contribuições. Através do código de barras, o telespectador pode auxiliar com o valor que lhe convém. O intuito é arrecadar dinheiro, cestas básicas, materiais de limpeza e fraldas para a crianças com a intenção de pegar os subsídios e dividir entre o pessoal que está parado.

Com um grande respaldo na cidade, o projeto traz à tona, além da boa música, dividida entre estilos regionais, MPB, Rock, Metal, Sertanejo, Blues e Jazz, também o altruísmo e benevolência do povo lageano.

Repercussão

O guitarrista da lendária banda de Heavy Metal, Orquidea Negra, Robson Anadon, em uma matéria na imprensa especializada, Whiplash, definiu o U.M.L como “A União Faz a Força” ressaltando os responsáveis pela proposta e o benefício que traz ao cenário da música serrana.

“Eu consegui um feito inédito na cidade, juntar todas as rádios e mobilizá-los a apoiar o projeto, com sua logo, com seu respectivo auxílio e muito mais...”, cita Dante sobre a assistência dos veículos de comunicação da cidade. De acordo com o produtor, pessoas de outras regiões do estado o procuraram para saber sobre a elaboração da proposta e também para auxilia-los a fazer o mesmo em seus respectivos municípios.

Divulgação/Lucas Soares
O cantor nativista, Lucas Soares também expressou seu contentamento com a criação da U.M.L.

“A União dos Músicos vem em um momento muito delicado, as lives mostram para nós, como é importante conseguir se expressar e que pessoas recebam essa energia. Os músicos não estão conseguindo se manter, e a gente sabe que muitos vivem somente disso. Estamos aí ajudando no que podemos, eu tô muito contente com tudo o que aconteceu e vem acontecendo, tem muitas pessoas boas na cidade, que a gente não conhecia. Tudo isso vem em um momento delicado e tenho certeza que vai perdurar. Vamos nos apresentar dia 28 e levar um pouco do nosso trabalho junto com toda essa moçada!”

Apresentação das lives

Um repertório limpo, profissional, sem bebedeiras, basicamente composto por três pessoas, que prevenidas, tomam todo o cuidado necessário para as devidas precauções. As luvas, máscaras e higienização são pontos importantes para o desenvolvimento de cada apresentação.

Durante as exibições, há um apresentador distinto que faz o intermédio entre espectador e músico, trazendo informações sobre a história, releases e materiais de quem esteja tocando, além de sortear alguns brindes. Dentre os artistas, estão músicos individuais, bandas, musicoterapeuta, workshops de bateria e muito outros.


Divulgação/Aline Amorim
A musicista Aline Amorim que se apresentará no dia 20 de maio, ressaltou a importância do projeto e também a riqueza cultural que emana do município:


“A União dos Músicos de Lages tem sido um grande exemplo de solidariedade. É lindo demais ver que a classe dos músicos lageanos está realmente engajada em dar suporte aos profissionais que dependem financeiramente da música. Além disso, tem sido uma oportunidade ótima para conhecer e apreciar novos artistas e novos estilos. Ao final de cada live me dou conta do quanto a cena musical lageana é rica. É uma honra estar fazendo parte disso!”


A programação completa está disponível nas plataformas virtuais do U.M.L e de lá também é possível de forma interativa, acompanhar passo a passo, os bastidores e o desenvolvimento da proposta.

Legado pós pandemia

Com o término desse período sabático, o grupo pretende ainda continuar ativo e isso fomenta a coletividade criada em prol de atitudes filantrópicas. E diante disso, a U.M.L pretende estender e continuar com o âmbito de auxílio social.

Nunca, uma frase escrita pelo filósofo grego Esopo, fez tanto sentido, “Unidos Venceremos. Divididos, cairemos”.  

Plataformas Virtuais:

Vakinha

Apoio: Fundação Cultural de Lages, Mix Fm, Clube FM, FM 101, Band FM, Massa Fm, Correio Lageano, Harmony Sonorização, Graphic Comunicação e Comunicaêêê Interações Digitais. Realização: Estúdio Olho da Lua.

quarta-feira, 29 de abril de 2020

As The Palaces Burn: Banda inicia pré-produção de novo single

Em meio a quarentena, a banda As The Palaces Burn iniciou a pré-produção do seu novo single. O mesmo será acompanhado de uma sequência de vídeos, "ATPB:REC", cobrindo todo o desenvolvimento e trabalho por trás da criação e produção musical.



O material estará disponibilizado no novo Ep dos músicos, que ainda não teve seu nome divulgado e será lançado no próximo semestre.

Ao mesmo tempo que estão no processo de novos materiais, o grupo criciumense continua na divulgação do seu primeiro disco “End’ evour”, o qual recentemente fizemos uma resenha analítica sobre as composições e em relação à sonoridade.


Sobre a banda

A banda As The Palaces Burn foi formada em Criciúma, no ano de 2018, por músicos conhecidos da região, como o vocalista Alyson Garcia Alves (Enforcer), o baixista André Schneider (Thoten), Diego Bittencourt (Symbolica e Somberland) e Gilson Naspolini (O Mundo Analógico).

Ainda no mesmo ano de surgimento, o grupo lançou os singles “The Devil’s Hand” e “I Tried”. Recentemente, os criciumenses estiveram na décima quarta edição, do Otacílio Rock Festival.

Plataformas Virtuais:


domingo, 26 de abril de 2020

100 Dogmas: “Resistência” é lançado em comemoração do aniversário do disco "aMALdiçoado Seja"

No último dia 07 de abril, a banda blumenauense de Groove Metal, 100 Dogmas, divulgou o videoclipe “Resistência”. O trabalho marca a comemoração de um ano, do lançamento, do álbum “aMALdiçoado Seja”.


O clipe foi produzido pela Lambreta Filmes, e nele mostra takes da apresentação dos músicos. A mixagem e masterização ficou por conta do guitarrista André Luis.
A música que contou com a participação de Emiliano Calandra traz riffs rápidos, um solo ímpar e vocais vocíferos. A composição ressalta o conformismo em detrimento à manipulação social.

Divulgação

Sobre a banda
O grupo formado em 2012 carrega um Groove Metal com referências de grandes nomes do estilo, como Pantera, Down e referências de outras bandas como Sepultura e Black Label Society. Os músicos têm em sua discografia, dois trabalhos, “A Caixa de Pandora” e o recente Ep “aMALdiçoado Seja”.

Formação Atual:
Rafhael Jorge (Vocal)
André Luis (Guitarra)
Maycon Souza (Baixo)
Thiago Alves “Chocolate” (Bateria)

Plataformas Virtuais:

sexta-feira, 24 de abril de 2020

Rotores: A banda que colocou chicletes na cabeça de Joey Ramone

Em 2019, no interior paulista, mais precisamente entre Avaré e Cerqueira César, um trio de amigos resolveu juntar toda a experiência e influências, e colocar isso em prática. Assim nasceu, a banda de Punk Rock Bubblegum, Rotores.

Divulgação
Com referências de Ramones, Screeching Weasel, Riverdales, The Manges, Social Distortion, Carbona, Rotentix e muitas outras bandas, o grupo apontou no cenário trazendo uma vertente peculiar e original.

Logo no mesmo ano de surgimento, o grupo divulgou seu primeiro trabalho, o Ep “Gum In My Head”. O material foi produzido de forma independente e contém cinco faixas (todas em inglês). Outro destaque, é a capa do mesmo, feita por Paulo Rocker (Gramofocas), ela traz Joey Ramone com chicletes em sua cabeça.


A primeira faixa “I Don’t Wanna Be Tonight With You” é a mais longa do disco. Ela possui uma melodia mais cadenciada e riffs harmônicos. A letra trata sobre desilusões amorosas e os traumas que um relacionamento pode ocasionar.

“Hey Girl” é a baladinha da Rotores, pois é bem dançante e fácil de cantar. A sua sonoridade é bem trabalhada e exibe arranjos bem síncronos. A composição ressalta as bebedeiras, diversões, os moldes do Punk Rock Melódico.

A mais curta do Ep é “My Baby Was So Good”. Instantaneamente, a partir do momento que a ouve, você começa a cantar junto. Cada riff da canção passa uma nostalgia diferente e a letra casa com isso, pois trata-se de um romance com leves devaneios.

“I Want You” começa rápida e sua sonoridade adquire alternâncias de riffs, cabendo destaque para a nitidez de cada baquetada. Com versos curtos e repetitivos, a essência da faixa exibe uma paixão sem preconceitos.  

Encerrando o material, “She’s Gone” enfatiza riffs mais céleres que as demais, o solo durante a reprodução também é marcante, pois traz mais solidez a música. Como a letra bem diz, “ela foi embora” enquanto, o personagem principal quer a solidão e os prazeres da vida.

Formação Atual:
Marcelo Romero (Baixo e Vocal)
Junior Damasceno (Guitarra)
Caio Oliveira (Bateria)

Plataformas Virtuais:

quinta-feira, 23 de abril de 2020

Syn TZ: Pré-lançamento do novo Ep “The Quarantine Tapes” já está disponível

No dia 22 de maio, a banda de Heavy Metal Syn TZ vai divulgar o Ep digital “The Quarantine Tapes”, que será o seu terceiro material. O mesmo será disponibilizado em todas as plataformas de streaming.

Divulgação

O álbum foi desenvolvido de forma independente, entre fevereiro e abril desse ano no Estúdio SonicVision, em Florianópolis- SC.  Ele está disponibilizado no site oficial do grupo, em forma de pré-lançamento e através dele, estão as cinco faixas inéditas e uma bônus track.  Todas as aquisições do material serão utilizadas para a manutenção das atividades, uma vez que durante esse momento de pandemia, as iniciativas culturais estão sendo bem afetadas.


O baterista Juninho que entrou na banda, após o lançamento do primeiro álbum, cita como principal mudança na questão sonora, o peso e as novas influências de Thrash Metal. “ A Syn TZ tenta não fugir da ideia de compor músicas simples e retas”, cita o músico acerca do novo Ep.  

Sobre a banda


A banda Syn TZ foi formada em 2012, na cidade de Balneário Camboriú- SC. O grupo aposta na versatilidade de suas performances, remetendo aos clássicos do Heavy Metal e também pela originalidade imposta em suas músicas.

Em 2014, os músicos difundiram seu primeiro trabalho, a demo homônima “Syn TZ”, que os inseriu no cenário do Metal Catarinense. Três anos depois, a banda lançou seu primeiro disco, “Heavy Load”, com muitas críticas positivas da imprensa especializada e também grande aceitação dos fãs.



Formação Atual:
Giuliano Schmidt “Jay” (Vocal)
Marco Aurélio Girardi (Guitarra)
Edu Beeck (Baixo)
João Vormehlen Jr “Juninho” (Bateria)

Plataformas Virtuais:

quarta-feira, 22 de abril de 2020

Mofo: Célere e original, "Sick And Insane" marca o novo trabalho da banda

Recentemente, a banda brasiliense de Thrash Metal, Mofo, divulgou “Sick And Insane”, seu novo disco.

Sick and Insane
O material foi gravado nos períodos de agosto de 2019 e fevereiro desse ano. O primeiro full length dos músicos conta com dez músicas e foi mixado e masterizado por Victor “Xexel” Hormidas, no Texas Studio em Brasília - DF. A produção se deu de maneira independente, e para o seu design e arte, foi chamado o ilustrador Ricardo Bancalero.

Com 01:28 min, “Cynic” abre o disco sendo uma faixa introdutória. Com simples dedilhadas de violão e totalmente instrumental, ela contrasta com a pancadaria que surge a seguir. Sem mais delongas, “Adrenaline” surge como um estrondo, ao complementar os riffs céleres ao solo descomunal no meio da mesma. A letra esboça vícios e obsessões pela adrenalina, além de enfatizar uma pessoa que não tem medo do perigo e vive sua vida de forma intensa.

A terceira faixa é “Brothers Of Death”. Ela começa com uma sonoridade mais cadenciada, mas aos poucos ingressa-se ao caos, explícito através da agressividade e potencialidade do instrumental. A letra expõe a história de Frank e Billy, dois irmãos que decidem matar seus pais e depois disso ficam ainda mais saciados pelo sangue e pela destruição.

“Time Of War” é uma das melhores do disco, indiscutivelmente. Aqui os vocais são mais nítidos e a sonoridade insere riffs técnicos e solos ímpares. A essência da canção é a guerra, tanto que possui trechos de discursos de Hitler, durante sua reprodução.

A quinta faixa é a homônima “Sick and Insane”. Ela começa com tons de Groove possibilitados pelos belos arranjos de Dinis e Mancha, e rapidamente se converge à rapidez do instrumental.  A composição casa muito bem com o momento atual, com restrições à liberdade, poder nas mãos erradas e armadilhas que condicionam ao comportamento de manada.

“Let Them Fall” é marcada pelos guturais firmes e ríspidos de Emiliano. Consequentemente, outro ponto a destacar, é o fato da música evidenciar uma eficaz distribuição sonora entre os instrumentos. Na letra, a hipocrisia, o charlatanismo e a manipulação religiosa são temáticas centrais.

A canção “Final Experiment” é bem célere, e a violência dos riffs, personifica o Thrash Metal, sem firulas nem frescuras. O experimento final é justamente o resultado de todas as banalidades, imposições, massificações e mentiras atribuídas a inocência humana.

Novamente “Frank” aparece e agora mais perturbado do que nunca, vive de injustiças, traição da esposa e uma vida totalmente atordoada. O peso da sonoridade e agressividade dos riffs se conectam muito bem com o personagem principal da música.

Com 05:18 min, “Purgatory” é a faixa mais longa do full length. O instrumental é mais trabalhado e mantém riffs harmônicos, isso faz com que a canção seja a baladinha do álbum. Como é descrito na designação da canção, o “purgatório” é uma metáfora com o mundo real.

Encerrando o disco, “Hate And Disgrace” quebra com o estereótipo da última música ser lenta. Ela é rápida e possui uma alternância no seu instrumental, que enfoca muito bem a sonoridade das duas guitarras, tanto de Shakal quanto de Colonna.  A composição mostra a humanidade e suas mazelas, tudo aquilo que está impregnado, na parte pior do ser humano.

O disco é um estrondo sonoro, consegue trazer mais elementos ao Thrash Metal, como traços de Groove e também pinceladas de Speed Metal. As letras possuem uma cronologia e são recheadas de críticas sociais muito bem embasadas.

Foto Divulgação

Sobre a banda

A Mofo foi formada em 2010, na cidade de Brasília- DF. Com a proposta de fazer um Thrash Metal cru, o grupo aos poucos foi se consolidando no cenário candango. Em 2017, a banda divulgou seu primeiro trabalho, o Ep “Empire Of Self-Regard”, que rendeu boas críticas frente à imprensa musical.

Formação Atual:
Emiliano Gomes (Vocal)
Rodrigo "Shakal" Loreto (Guitarra)
Arthur Colonna (Guitarra)
Pedro Dinis (Baixo)
João Paulo "Mancha" (Bateria)

Plataformas Virtuais:

Postagens mais antigas → Página inicial

DEIXE SEU LIKE

ESTATÍSTICAS