domingo, 2 de julho de 2017

Cracked Skull

Metal originário de Itaúna – MG



Em abril de 2014, no interior mineiro os amigos Marco Túlio Costantin (Baterista) e Tarciso Guimarães (Guitarra) convidaram Clênio (Baixo e Vocal) para montar um projeto autoral intitulado Cracked Skull.

Os músicos possuem influências como Voivod, Death, Rush, Morbid Angel, Sepultura, Led Zeppelin, Frank Zappa, Nevermore, Krisiun e Entombed. Os integrantes possuem referências sonoras comuns, o que torna ainda mais peculiar o grupo.

Em relação à designação Cracked Skull, o nome foi escolhido devido ao intuito de “rachar a cabeça” para a compreensão de assuntos relacionados a questões comportamentais e existenciais. Para um aprofundamento essencial, é necessário entender o sistema, a sociedade e a história se desprendendo de idolatrias, subjetividade, mitos, e valores de submissão que nos estereotipam e nos impõe a hierarquias desumanas.

No início de 2016 os mineiros divulgaram o primeiro videoclipe, “Fascism” onde mostra com imagens o que acontece na Ucrânia e na Síria com seus governos austeros e ditadores.



Em novembro do mesmo ano, a banda difunde o seu novo clipe, trata-se de “Dark 1964”.



Recentemente o grupo lançou o primeiro álbum denominado “Social Disruption” contendo nove faixas, “Forge The Fury (Intro)”, “Dark 1964”, “Rise Up Revolution”, “A Flame In The Dark Ages”, “Misery Of Mind”, “Fascism”, “Selfish Gene”, “Time Of Ignorance” e “Terrorism”. Todo o material fora produzido de maneira independente no Estúdio Engenho (Estúdio pertencente de André Cabelo da banda Chakal). A arte ficou por conta de Matheus Pinheiro.



Atualmente os músicos estão no desenvolvimento do seu novo trabalho que sucederá a ruptura social e ingressará na ruptura com o estado burguês.

O som proposto pela banda é conciso, mescla Progressivo, Thrash e Death Metal. As suas respectivas composições são caracterizadas por um materialismo histórico, leitura concreta, fugindo de viagens astrais e subjetividades. Em suas abordagens traz a tona assuntos como a dominação de classe e toda a intensa desigualdade e o resultado devastador e sangrento da mesma. Além dessas questões, há ainda resquícios de maneira poética, a mudança, a transformação social, derrotar o fascismo e o nazismo, extinguir o racismo e homofobia, opor e romper com dogmas religiosos ou qualquer manifestação cristã e propor uma sociedade igual e humana.

19/07/17 – Lançamento do disco ao lado das renomadas bandas Nervochaos, Coldblood e Bloodshed.

Mesmo com a curta trajetória, o grupo já participou de grandes eventos e festivais como o Rise Up Rock n Roll, Porão do Rock em Betim – MG, Motorock Bar, Motoshow de Itaúna – MG, além de dividir palco com grandes nomes como Sexthrash, Sagrado Inferno, Scalped e DeadLiness.

Formação Atual:
Clênio (Baixo e Vocal)
Tarciso (Guitarra)
Marco Túlio (Bateria)

A banda tem um recado:
“Música não se limita a ser apenas mero cosmético, mas uma poderosa marreta para forjar a si mesmo e a sociedade para rumos progressistas e emancipador. “
Plataformas Virtuais:


← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

1 comentários: