quarta-feira, 22 de agosto de 2018

Parceiros do Underground #6: Daniel TJ (A Hora Hard)

O quadro “Parceiros do Underground” gradativamente recebe histórias e depoimentos ímpares sobre o cenário musical catarinense. Dessa vez, o professor, historiador e escritor Daniel TJ explicou um pouco sobre união na cena, novos projetos da AHH e muitos outros assuntos relacionados a música e derivados da mesma.

A Hora Hard é uma das principais influenciadoras para a concretização do projeto da Urussanga Rock Music que surgiu a partir de matérias seja radiofônicas ou audiovisual mantidas pela mídia independente criciumense no início dessa década. Então isso propiciou a ideia para a difusão da cena sul catarinense que é bastante lembrada pelo professor abaixo na entrevista.




Quando e como foi o início da sua trajetória no Rock/Metal?

Daniel TJ: Foi tardiamente em comparação com outras histórias de vida, na escola em que estudei com bolsa, meus colegas quando tinham diskman eu nem tinha cds, quando eu tinha alguns cds (coletâneas gravadas em pc por amigos) já havia chego os mp3/mp4, eu me via sempre um ou dois passos atrás, mas nunca sofri bulliyng por minha condição, isso na verdade me despertou bem cedo para problemas de classes sociais.

Quais eram suas maiores influências da época?

Daniel TJ: Na família era Raul Seixas, Jovem Guarda, Zé Geraldo e RC. Com amigos (escola e futebol) foi CPM22, Gabriel o Pensador, Raimundos, CBJr, Planet Hemp, RATM e depois de alguns anos chegou o hardcore californiano F2F, NOFX, Unwritten Law, Goldfinger, Pennywise, Lagwagon e minha vida mudou com punkrock Tequila Baby, Inocentes, RDP, Cólera e com certeza esqueci de muita coisa...

A Hora Hard foi criada em 2004. O surgimento da mídia se deu através de qual intuito? Houve alguma ajuda na época?

Daniel TJ: Intuito de tocar o que eu ouvia no meu mp3 de 2mb (tenho ate hoje como troféu) e que eu sabia que "os pássaros de mesma plumagem sempre voam no mesmo bando" (me parafraseando, pode né) também ouviam cada excluído das mídias tradicionais, então criei A HORA HARD, mas já tinha criado o M.P.P.Hc (Movimento Pro Punk Hardcore) e a rádio corredor com Grêmio Estudantil que ajudei a reerguer depois de quase 20 anos inativo no colégio estadual no qual fiz ensino médio. Ajuda teve dos amigos (alguns gatos miados) que ouviam e iam na radio, interagiam via telefone e sms no celular até 2007, quando comecei a levar bandas e gravações em áudio para programa.

Como você analisa o projeto nestes 14 anos?

Daniel TJ: Evolução nas eras que classifico (olha a graduação) de 2004 a 2007 com inicio, 2007 a 2011 com inicio de coberturas e entrevistas, e 2011 até a data presente chegando a todo estado e fincando SC como cena nacional. Acho que falta um pouco da nova geração ouvir as referencias dos sons que estão em foco hoje, eu nunca paro de ir para fonte (não sei se pela graduação que escolhi).

Para você, quais são os maiores obstáculos do autoral e underground?

Daniel TJ: Autoral pode ser a visão de que para festas é melhor contratar cover que agrada o público, tributos de bandas que não existem mais ou que são muito inatingíveis para fãs é uma boa, uma ótima! O underground vejo a ‘prostituição’ da arte, com falta de credibilidade para ‘se ele não vai vou eu...’ como o empregador e o empregado, você é merecedor, se entrega conteúdo de qualidade, mas aí todos perdemos de organizar e ganhar com a profissionalização do underground (termo que deve ser revisto para não utilizar de maneira indevida).

A AHH tinha seus programas na rádio DCE Unesc e lá levou diversas bandas, grande parte do cenário musical criciumense passou pelos banquinhos do programa. Há o interesse de retornar com essa parte radiofônica?

Daniel TJ: Sempre! Mas sempre profissional, dentro das limitações (outrora de material e concepção de imaterial do que é musica para tantas pessoas).

Hoje a mídia é uma das maiores no cenário independente brasileiro. Qual sua expectativa acerca das novas mídias que gradativamente surgem?

Daniel TJ:  Beeeeeeeeeem longe de ser expoente para país, mas vejo alguns grandes programas passando por alguns passos que A HORA HARD já passou, e nós nos inspirando em alguns!

Há alguma entrevista em evidência que tenha marcado esses 14 anos de AHH?

Daniel TJ: No YouTube estatisticamente temos em entrevista de 2012 com Rodrigo e Alyand (DEAD FISH), Chitão (Loja Pumpx) e Rafael Toldo (Stan Prod.)*, e em 2014 que é o A Hora Hard - 10 anos hoje 25.05.2014 as 18 horas** o primeiro vídeo que o fundador em primeira pessoa, também a entrevista dentro da radio com DF, Aditive, Seks Collin, Killi, Hey Day (do brother cotão) ou áudio entrevistas gravadas no mp3 player de 2mb a pilha nos shows. Mas poder entrevistar cada artista (ídolos que me inspiram com suas letras) que eu ouvia desde a adolescência sonhando ter banda e cantar em um festival com eles, dividir quadro a quadro, pergunta e respostas, já imensurável ver o que consegui.

Qual sua visão sobre o cenário catarinense autoral? E o sobre o cenário criciumense?

Daniel TJ: Estamos sim dentro do ‘eixo’ que antes era SP-RJ-MG-PR-RS-BA, ano após anos, mídia após mídia, bandas e seus sons representando MUITO nossa cena catarinense! Criciúma é a maior cidade em população do Sul, historicamente com a descoberta do carvão houve crescimento potencial de acumulação de bens por algumas famílias e quando há abismo social temas surgem, com isso bandas tem o que falar (ou não, se tomarmos como exemplo Millencolin que não está nem perto de nossos ‘problemas terceiromundista’.

O “Raízes do Underground” é um projeto que visa em forma de documentário registrar as figuras mais antigas do cenário HC criciumense. Como está o desenvolvimento do projeto? Dessa fonte sairá mais alguma ideia?

Daniel TJ: Da cena Criciúma/Tubarão que foi onde residi maior tempo da minha vida até aqui, está em fase de finalização das edições e postagens, já que iniciamos procura em março 2015 e primeira gravação de depoimento em outubro, tudo muito planejado. Com certeza virá após publicação de todos depoimentos (seriam 14 em alusão aos 14 anos do A HORA HARD mas já superamos este número inicial) e em primeira mão anunciamos que lançaremos DVD com a compilação e com uma pergunta ‘e a cena underground hoje? ’ Que não fora divulgada individualmente.

Com o crescimento do neofascismo e intensificação do conservadorismo (até nas bandas). Qual sua expectativa sobre esse assunto e se isso influencia na escolha de alguma banda ou matéria?

Daniel TJ: Diferente do que alguns roqueiros que fazem roque, pregando em suas posições de intolerância políticas, nós do A HORA HARD somos a favor da liberdade de expressão, isso não interfere na divulgação, somos contra qualquer tipo de cerceamento de liberdade e esperamos que estes despertem da besteira do caminho que estão seguindo.

Cinco bandas catarinenses.

Daniel TJ:  Ihhhhh, mas só cinco para 14 anos garimpando o lado underground do estado, poderíamos listar 5 de cada uma das 16 microrregiões...Então será lista in memorian do litoral sul SC:
Doctor Jimmy (Imbituba), Blue Draks (Tubarão), Feel Alive (Araranguá), Turn Off (Criciúma), Vizinhos da Glória (Içara).

Cinco bandas criciumenses.

Daniel TJ:  Puredin, Leopoldo & Valéria, No direction, Delonga, Guella Seca.

Cinco parceiros do underground.

Daniel TJ: Urussanga Rock Music (mudando de nome ou não, seguiremos até mais além), www.osubsolo.com (maior site do Brasil), Cultura Em Peso (onde nos inspiramos a divulgar somente autoral), Comandante Records (selo), todos (as) artistas que valorizam nosso trabalho e Fanzines Amigos Punks (in memorian).

Cinco pubs.

Daniel TJ: Não sei bem se ‘pub’ se encaixa com cena underground em que vivemos, portanto vai lista dos melhores picos: Taliesyn (São José) e Plataforma (Fpolis), Marechal (in memorian) e Porão Kaos 281 (Caxias do Sul), Under beer e Rock n Show (Içara in memorian), Buda (Tubarão) e River Rock Bar (Rio do Sul).

Uma frase.

Daniel TJ: Entrevistando artistas independentes e valorizando o que é daqui desde 2004.

Em nome da Urussanga Rock Music eu agradeço a disponibilidade da entrevista. Se puder, deixe um recado para quem nos acompanha.

Daniel TJ: ‘Eu só queria agradecer...’ (citando DF) e registrar o brilhante trabalho jornalístico do Urussanga Rock Music. E você que fez parte, muito obrigado eu agradeço, você que está fazendo parte prepare-se pois esse é o seu momento, você que vai fazer parte depois de ler esta entrevista, pois gosta de som ou expor seus ideais, e vai entrar de cabeça no bom e velho ‘do it yourself’ e faça, faça por você, por mim, por ninguém, por todos nós! Aproveite, a vida é uma só...


← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário