quinta-feira, 13 de setembro de 2018

1° Resistência Underground Fest: O Extermínio do Fascismo

Que a cadela do fascismo está sempre no cio, não restam dúvidas. E o que poderia acontecer nessa ascensão desse conservadorismo?



No interior de São Paulo, Fabio Luiz Montanari (Nuna Fanzine) resolveu criar algo que pudesse ir contra essa onda neofascista atuante. Como já está presente no M.R.U (Movimento de Resistência Underground) o produtor conhece bem o cenário independente do Metal brasileiro.

E não há lugar melhor para a escolha do local, como o município de Itapira- SP, cidade berço de grandes festivais, renomados eventos e de uma cena unida. Lá já se apresentaram bandas nacionais e internacionais, inclusive com contingente grande de público, sendo um dos mais lembrados, um show com quase 800 pessoas.

A interação camping, natureza, fazenda traz um âmago singular e identitário para o fest visto que o mesmo localiza-se na divisa de Itapira com Mogi-Guaçu- SP.

Outro fator a ser destacado é a pluralidade de estilos e a abrangência de ritmos, fugindo da segregação musical. O espaço geográfico também é bem descentralizado já que agrega bandas de outros estados, como Minas Gerais. A escolha dos grupos se deu baseado no MRU com três bandas do coletivo e metade de fora, todavia com a mesma chama antifascista.

A Cracked Skull realmente racha a “cuca” dos metalheads, os mineiros oriundos de Itaúna- MG fazem um som com muitas referências de Death Metal, com destaque para álbum “Social Disruption” resenhado pela Urussanga Rock Music. Também mineira, a Deadliness é um grande nome do Metal Brasileiro. O grupo possui quase trinta anos de estrada, nove demos e EPs além do full length “Guerreiros do Metal”.

A Vulture também é considerada um ícone do Death Metal nacional já que tem trabalhos muito bem elaborados, técnicos, concisos e que gradativamente se tornam parte do acervo musical dos amantes do estilo. Imagina rodar o disco “Test Of Fire” no possante ou o “Through The Eyes Of Vulture” com a ensurdecedora “Abençoado Seja O Homem Ateu”. Com essa época da ascensão do cristianismo na política, a música expressa a revolta da laicidade do Metal.

O “DIY” (Do It Yourself) estará presente no Grindcore/Punk/Crust da Ratas Rabiosas. A banda surgiu em 2013 com a ideia de algumas amigas que movidas contra o descontentamento e revolta em meio a atividade preconceituosa contra as minorias, resolveram criar um projeto para dar um basta nessas atrocidades. Elas têm como material lançado, o homônimo “Ratas Rabiosas” e a coletânea divulgada pela Utero Punk, “Mulheres em Perigo”.

Com o recente trabalho difundido, o EP “Hellcat Empire” da banda homônima foi muito marcante para os músicos. A banda, uma das pratas da casa, trabalha sua sonoridade através do Street Punk e West Coast Hardcore que é personificado através das suas músicas onde aborda o cotidiano, a intolerância e ódio na sociedade. Também advinda da região, a Wartheria aposta nas músicas cantadas em português, o que torna um diferencial em relação ao seu som. Este caracterizado através de um Thrash/Death Metal.

Os ingressos estão disponibilizados por apenas 15 reais (Com nome no mural do evento) e 20 reais na porta do mesmo. Então, além do preço acessível, da qualidade das bandas, da união antifascista e do camping diferenciado, o festival vai marcar uma nova época para o Metal, de resistência ante as garras do reacionarismo.


← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

1 comentários: